Como a FCC permite que seu provedor de serviços de Internet pinte uma imagem otimista das velocidades da Internet

Como a FCC permite que seu provedor de serviços de Internet pinte uma imagem otimista das velocidades da Internet 1

É uma sensação terrível perceber que a velocidade da sua internet é muito mais lenta do que o que seu provedor prometeu. Mas de acordo com um novo relatório da o Wall Street Journal na quinta-feira, a Comissão Federal de Comunicações poderia fazer muito pouco para forçar os provedores a atender às expectativas de seus clientes.

De acordo com WSJ, empresas como AT&T, Verizon e Comcast trabalharam para influenciar os relatórios e usaram várias táticas ao longo dos anos para aumentar seus números. Ao fazer isso, o sistema de relatórios da FCC pode estar mostrando velocidades de conexão muito mais rápidas do que as que os clientes realmente recebem.

No final da administração Obama, a FCC lançou um programa chamado Measuring Broadband America. É uma revisão anual das velocidades que os fornecedores anunciam como disponíveis para os consumidores. A agência compara essas velocidades com a realidade no terreno através de seus próprios testes. Seu objetivo é garantir que os provedores de serviços de internet em casa sigam as velocidades que prometem aos consumidores.

A agência não pode fazer uma revisão em todas as conexões nos Estados Unidos, por isso é forçada a confiar em uma amostra predeterminada de casas representativas. Mas o Diário relatou que os fornecedores são notificados de quais famílias a FCC testará com antecedência. Isso lhes dá tempo e espaço para aumentar a velocidade antes que a agência tenha a chance de executar seus testes. É algo que já teria acontecido antes, com a Comcast lançando atualizações de velocidade em vários estados na época de um teste da FCC.

De acordo com Diário, outros fornecedores convenceram a FCC a omitir certos dados pouco lisonjeiros e culparam algumas velocidades mais lentas por “equipamentos defeituosos”.

Todo o objetivo dos relatórios da Measuring Broadband America era garantir que os clientes recebessem as velocidades pelas quais pagam, mas se os provedores puderem jogar o sistema como descrito pela Diário, essas análises favorecem apenas os bolsos de algumas das empresas mais poderosas da América.