Notícias de dispositivos móveis, gadgets, aplicativos Android

Google e Microsoft une forças para dar à segurança cibernética dos EUA um impulso de US$ 30 bilhões

A superpotência mundial de facto, os EUA, pode ser imune à maioria das ameaças inimigas devido às suas forças armadas superiores e às suas tecnologias avançadas. Mas uma coisa que até mesmo os americanos estariam seriamente preocupados é a guerra cibernética. O país tem estado recentemente bastante vulnerável a ataques cibernéticos, sendo um desses casos o ataque de ransomware em maio este ano. O governo espera agora reforçar as suas defesas cibernéticas recorrendo a investimentos substanciais de certas empresas tecnológicas, nomeadamente Google e Microsoft.

Em meio a preocupações crescentes com a segurança cibernética, o presidente dos EUA, Joe Biden convocado as maiores partes interessadas à Casa Branca em 25 de agosto. A agenda da reunião era encontrar soluções de segurança cibernética para proteger as autoridades de possíveis ataques cibernéticos.

Entre os convidados estavam grandes empresas de tecnologia, incluindo AppleGoogle, Microsoft e Amazon. Além disso, representantes de organizações educacionais como Code.org e stakeholders financeiros, como JPMorgan Chase, também receberam o convite.

Big Tech se reúne para curar os problemas de segurança cibernética de Biden

Recentemente, um Declaração da Casa Branca revelou que os gigantes da tecnologia Google e Microsoft decidiram investir um total combinado de US$ 30 bilhões para reforçar o status de segurança cibernética do país. Nos próximos cinco anos, a Microsoft desembolsará US$ 20 bilhões, enquanto o Google investirá US$ 10 bilhões de seu próprio bolso.

A fonte também anunciou que US$ 150 milhões do investimento total da Microsoft iriam imediatamente para treinamento em segurança cibernética e atualizações de segurança cibernética para faculdades comunitárias/organizações sem fins lucrativos e edifícios governamentais, respectivamente. Além disso, o resto dos fundos será utilizado para impulsionar os esforços do país para “integrar a cibersegurança desde a concepção” e para “fornecer soluções de segurança avançadas”.

Nós recomendamos:  Redação de conteúdo para empresas de cannabis: um guia passo a passo

Obrigado @POTUS por convocar uma conversa crítica sobre segurança cibernética. A Microsoft investirá US$ 20 bilhões para aprimorar nossas soluções de segurança nos próximos 5 anos, US$ 150 milhões para ajudar agências governamentais dos EUA a atualizar as proteções e expandir nossas parcerias de treinamento em segurança cibernética.

– Satya Nadella (@satyanadella) 25 de agosto de 2021

O investimento ajudará o governo a expandir programas baseados no modelo de segurança Zero Trust, no caso do Google. Os fundos do gigante das buscas irão “ajudar a proteger a cadeia de fornecimento de software” e “aumentar a segurança do código aberto”.

Além dessas duas empresas, Apple e a IBM também se apresentaram para ajudar, embora não com fundos. A fabricante do iPhone estabelecerá um novo programa sob o qual aumentará a segurança da sua cadeia de fornecimento de tecnologia. Essencialmente, Apple planeja coordenar com mais 9.000 fornecedores no país. Isso promoverá autenticação multifatorial, treinamento em segurança, registro de eventos, etc.

Por outro lado, a IBM confirmou que criará Centros de Liderança em Segurança Cibernética em colaboração com 20 Faculdades e Universidades Historicamente Negras. A empresa também pretende fornecer treinamento em segurança cibernética para mais de 150.000 pessoas nos próximos três anos.

Como a segurança cibernética nunca é absoluta, mesmo as melhores forças tecnológicas do mundo não podem garantir a invencibilidade digital contra ataques cibernéticos. No entanto, investimentos focados como este podem ajudar um governo a reduzir as vulnerabilidades de segurança e minimizar significativamente a ameaça.