Notícias de dispositivos móveis, gadgets, aplicativos Android

NASA está construindo o primeiro GPS para a Lua

Um dos principais obstáculos ao pousar na lua é a navegação. Se a velocidade da espaçonave estiver ligeiramente errada, ela poderá colidir no outro lado da lua. Esta parece ser a principal preocupação da NASA neste momento e de acordo com um novo relatório A NASA está construindo o primeiro GPS para pouso na Lua.

Mais de 50 anos depois, enquanto considera as próximas missões Artemis da NASA à Lua, a agência está novamente a pensar em questões de navegação e segurança. Conseqüentemente, a NASA quer testar um novo sistema de navegação lunar capaz de usar sinais do Sistema Global de Navegação por Satélite (GNSS) da Terra nas proximidades da lua.

Embora não haja evidências prévias de sua execução, a NASA está disposta a enviar a carga experimental para a Lua. A responsabilidade do embarque provisório está sendo entregue ao módulo de pouso Blue Ghost da Firefly Aerospace até 2024, de acordo com a NASA.

O Novo Projeto

O GNSS denota os conjuntos de satélites que transmitem os sinais de cronometragem, posicionamento e navegação do espaço para receptores localizados na Terra. O sistema GNSS mais popular que frequentemente optamos é o GPS, operado pela Força Espacial dos EUA.

O Experimento do Receptor GNSS Lunar da NASA (LuGRE) é estabelecido em estreita parceria com a Agência Espacial Italiana (ASI). Será o primeiro a calcular as posições fixas durante a viagem à Lua junto com a superfície lunar.

Receberá sinais da constelação GNSS da Europa (Galileo) e GPS. Também permitirá que o receptor conduza vários experimentos de navegação em múltiplas altitudes enquanto orbita ao redor da lua.

Após o pouso, o Blue Ghost (receptor LuGRE) abrirá sua antena e coletará dados por até 12 dias ou mais. Ele será enviado de volta à Terra e usado para criar o sistema GNSS lunar operacional para missões futuras.

Nós recomendamos:  O Google Clock para Wear OS parece estar recebendo um material que você redesenha [Gallery]

“Neste caso, estamos ampliando o que o GNSS pretendia fazer – ou seja, expandindo o alcance dos sistemas construídos para fornecer serviços a usuários terrestres, de aviação e marítimos para incluir também o setor espacial em rápido crescimento”, disse JJ Miller, vice-diretor do programa de comunicação espacial (SCan) da NASA.

Ele afirma ainda: “Isso melhorará enormemente a precisão e a resiliência do que estava disponível durante as missões Apollo e permitirá equipamentos e cenários operacionais mais flexíveis”.

LuGRE é um esforço para aumentar a capacidade de alta altitude do GNSS. Recentemente, nos últimos anos, o alcance do sistema de expansão para 2.896 quilômetros (1.800 milhas) e 35.405 km (22.000 milhas) de altitude. Em 2016, a Missão Magnetosférica Multiescala da NASA usou GPS a uma altitude recorde de 70.000 km acima da Terra, e agora eles querem aumentá-la ainda mais.